Advogado, José da Natividade Saldanha poeta e político, nasceu no Recife, a 08-09-1796, filho do vigário João José Saldanha Marinho. Formado pela Universidade de Coimbra, em 1823 retornou ao Recife, onde abriu um escritório de advocacia.

Adepto da Confederação do Equador, com a derrota do movimento teve que deixar o Brasil em 1824, passando a viver em vários países.

Estava na Venezuela quando recebeu a notícia de que havia sido condenado à morte e, então, escreveu uma procuração a um dos juízes que participaram do seu julgamento (Thomaz Xavier Garcia de Almeida) outorgando-lhe todos os poderes, inclusive o de morrer enforcado em seu lugar.

Publicou os livros: "Poesias Oferecidas aos Amigos e Amantes do Brasil" (Coimbra, 1822) e "Discursos sobre a Tolerância" (1826).

Consta que morreu em 1830, em Caracas, Venezuela, ao cair numa vala da rua quando voltava para casa numa noite de chuva.