Marca PE AZ


O período das grandes enchentes em Pernambuco tem sido de junho a agosto. Entre os meses de janeiro e fevereiro só há registros, em toda a História, de duas pequenas inundações. E assim mesmo restritas a algumas áreas do Recife. Acompanhe aqui todas as enchentes que já castigaram o Estado.

1632 - A 28 de janeiro, ocorre a primeira enchente de que se tem notícia no Recife, "causando perdas de muitas casas e vivandeiros estabelecidos às margens do Rio Capibaribe".

1638 - Maurício de Nassau manda construir a primeira barragem no leito do Rio Capibaribe para proteger o Recife das enchentes: foi o Dique de Afogados, que tinha mais de 2 km e hoje é uma rua do Recife, a Imperial.

1824 - Entre fevereiro e abril, nova enchente atinge o Recife.

1842 - Junho. Enchente atinge o Recife, derrubando várias casas. Pontes desabaram; trens saíram dos trilhos; milhares de pessoas ficaram desabrigadas. Foi a primeira enchente de grandes proporções do Rio Capibaribe.

1854 - Foi a maior enchente do século. Durou 72 horas, atingindo todos os bairros do Recife. Derrubou a muralha que guarnecia a Rua da Aurora; parte do cais da Casa de detenção veio abaixo; a cidade ficou sem comunicações com o interior; no Porto do Recife, os navios foram atirados uns contra os outros.

1862 - Nova enchente castiga o Recife.

1869 - Grande enchente destrói as pontes da Torre, Remédios e Barbalho, e rompe os aterros da via férrea do Recife. Foi a maior enchente até então, tendo o imperador Pedro II determinado que o engenheiro Rafael Arcanjo Galvão viesse a Pernambuco "estudar o problema".

1870 - A 16 de Julho, o bacharel em matemática e ciências físicas José Tibúrcio Pereira de Magalhães, diretor de Obras e Fiscalização do Serviço Público do Estado, sugere ao governo imperial a construção de uma série de barragens nos principais afluentes do Rio Capibaribe, para evitar cheias no Recife.

1884 - Outra enchente atinge o Recife.

1894 - Em junho, enchente atinge todos os subúrbios recifenses situados às margens do Rio Capibaribe.

1899 - 01 de Julho. Vários bairros do Recife foram inundados por cheia do Rio Capibaribe. No município de Vitória de Santo Antão, desaba o segundo encontro da ponte sobre o Rio Itapicuru.

1914 - Outra enchente desaba sobre o Recife, deixando vários mortos.

1920 - A 14 de Abril, grande enchente deixa Recife isolada do resto do Estado, durante três dias. Postes foram derrubados; linhas telegráficas interrompidas; trens paralisados; pontes vieram abaixo, entre elas a da Torre. Os bairros de Caxangá, Cordeiro, Várzea e Iputinga ficaram totalmente isolados do resto da cidade.

1924 - Nova enchente deixa os bairros da Ilha do Leite, Santo Amaro, Afogados, Dois Irmãos, Apipucos, Torre, Zumbi e Cordeiro complemente submersos. O prédio do Serviço de Saúde e Assistência desabou e as obras do Quartel do derby sofreram grandes prejuízos.

1960 - Nova enchente do Rio Capibaribe castiga o Recife.

1961 - Enchente deixa 2 mil pessoas desabrigadas no Recife.

1965 - Outra enchente castiga o Recife. Os bairros de Caxangá, Iputinga, Zumbi e Bongi ficaram complemente inundados. Nas áreas mais próximas ao Rio Capibaribe, a água cobriu o telhado das casas.

1966 - Enchente catastrófica provocada pelo Rio Capibaribe, com a água atingindo mais de 2 metros de altura, nas áreas mais baixas do Recife. Em poucas horas, toda a extensão da Av. Caxangá foi transformada num grande rio. Na capital e interior, mais de 10 mil casas (a maioria mocambos) foram destruídas e outras 30 mil sofreram danos, como paredes derrubadas. Morreram 175 pessoas e mais de 10 mil ficaram desabrigadas. O nível do Rio Capibaribe subiu 9,20 metros além do nível normal. O presidente da República, marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, veio ao Recife verificar os danos causados.

1967 - A Sudene apresenta relatório de uma comissão de técnicos, constituída logo após a enchente de 1966, para encontrar soluções para o problema. O relatório sugere a construção de barragens nos seus principais afluentes e no próprio Rio Capibaribe, que é a mesma sugestão apresentada quase um século antes pelo engenheiro José Tibúrcio.

1970 - Ocorrem duas enchentes em Pernambuco. Em Julho, as águas atingem a zona da Mata Sul e o Agreste do Estado, por conta do transbordamento dos rios Una, Ipojuca, Formoso, Tapacurá, Pirapama, Gurjaú, Amaraji e outros. A cidade que mais sofreu foi o Cabo, que teve 04 dos seus 05 hospitais inundados e várias indústrias pararam suas atividades. No Recife, as águas da Capibaribe causaram grande destruição. Na capital e interior, 500 mil pessoas foram atingidas e 150 morreram; 1.266 casas foram destruídas em 28 cidades. Só no Recife, 50 mil pessoas ficaram desabrigadas.

Em Agosto, nova cheia atinge o Recife e Olinda, desta vez provocada pelo Rio Beberibe. Em Olinda, 5 mil pessoas ficaram desabrigadas e foi decretado estado de calamidade pública.

1973 - Material de propaganda da Secretaria de Obras do governo do Estado anuncia, em letras garrafais, que a Barragem de Tapacurá, inaugurada naquele ano, era solução definitiva para dois graves problemas que afetavam o Recife: abastecimento de água da população e "o fim" das enchentes no Recife.

1974 - Outra enchente atinge o Recife. A Comissão de Defesa Civil, que tinha previsão do avanço das águas, retirou a tempo a população das área ribeirinhas. Em São Lourenço da Mata, uma ponte ficou parcialmente destruída e a população isolada. No município de Macaparana, 20 pessoas morreram, por conta do transbordamento do riacho Tiúma.

1975 - Considerada a maior calamidade do século, esta enchente ocorreu entre os dias 17 e 18 de Julho, deixando 80% da cidade do Recife sob as águas. Outros 25 municípios da bacia do Capibaribe também foram atingidos. Morreram 107 pessoas e outras 350 mil ficaram desabrigadas.

Na capital e interior, 1.000 km de ferrovias foram destruídos, pontes desabaram, casas foram arrastadas pelas águas. Só no Recife, 31 bairros, 370 ruas e praças ficaram submersos; 40% dos postos de gasolina da cidade foram inundados; o sistema de energia elétrica foi cortado em 70% da área do município; quase todos os hospitais recifenses ficaram inundados, tendo o depósito de alimentos do Hospital Pedro II. sido saqueado. Por terra, o Recife ficou isolada do resto do País durante dois dias.

O governador Moura Cavalcanti decretou estado de calamidade pública na capital e em 09 municípios do interior. O presidente da República, em cadeia nacional de televisão, anunciou medidas para socorrer as cidades pernambucanas atingidas. No Recife, a cheia atingiu seu ponto culminante às 04 da madrugada do dia 18.

Boato: Tapacurá estourou

Na manhã do dia 21, quando as águas baixaram e a população começava retomar a vida, o pânico tomou conta das ruas do Recife, em decorrência de um boato de que a Barragem de Tapacurá havia estourado e que a cidade seria arrasada.

Tudo ocorreu às 10 horas: de repente, a multidão corria de um lado para outro sem saber aonde ir; mulheres desmaiavam; os carros não respeitavam sinais nem contra-mão; guardas de trânsito abandonavam seus postos; várias pessoas foram atropeladas; bancos, casas comerciais e a agência central dos Correios fecharam as portas; no Hospital Barão de Lucena várias pessoas pularam do primeiro andar; enquanto o boato se espalhava de boca em boca.

No Palácio do Governo, ao saber do que estava acontecendo, o governador Moura Cavalcanti comentou: "Agora não é mais tragédia, agora é mortandade". As emissoras de rádio passaram imediatamente a divulgar insistentes desmentidos. A Polícia Militar divulgou nota oficial informando que prenderia quem fosse flagrado repetindo o alarme.

A Polícia Federal anunciou que estava investigando a origem (nunca descoberta) do boato. O pânico durou cerca de duas horas, mas seu momento de maior intensidade teve cerca de 30 minutos. Mais de 100 pessoas foram atendidas nos serviços de emergência dos hospitais.
Passado o pânico, técnicos da Companhia de Abastecimento de Água informaram que um rompimento da Barragem de Tapacurá (que tem capacidade para 94 milhões de metros cúbicos de água e nada sofrera com a enchente) traria conseqüências imprevisíveis para a cidade do Recife.

1977 - A 01 de Maio, nova enchente do Rio Capibaribe deixa 16 bairros do Recife embaixo d'água. Olinda e outras 15 cidades do interior do Estado também foram atingidas. Mais de 15 mil pessoas ficaram desabrigadas e só não foram registradas mortes porque a população das áreas ribeirinhas foram retiradas 24 horas antes. São Lourenço da Mata foi o município mais atingido. Em Limoeiro, houve desabamento de ponte.

1978 - A 29 de Maio, o presidente da República, Ernesto Geisel, vem ao Recife inaugurar a Barragem de Carpina, construída para conter as enchentes do Rio Capibaribe. Com 950 metros de comprimento, 42 metros de altura, a barragem tem capacidade para armazenar 295 milhões de m3 de água e fica a maior parte do ano seca, só enchendo no período chuvoso.

2000 - Entre os dias 30 de julho e 01 de agosto, fortes chuvas castigaram o Estado, inclusive a Região Metropolitana do Recife, deixando um total de 22 mortos, 100 feridos e mais de 60 mil pessoas desabrigadas. Cidades foram parcialmente destruídas, tendo ás águas que transbodaram dos rios levado pontes e casas.

As chuvas foram anunciadas com 40 dias de antecedência pelos serviços de meteorologia, mas as autoridades governamentais deram pouca importância à previsão. As chuvas atingiram 300 milímetros em apenas três dias e só na RMR aconteceram 102 deslizamentos de barreiras. No município de Belém de Maria, com 15 mil habitantes, 450 casas foram arrastadas pelas águas.

O centro de Palmares ficou complemente debaixo de água e em Barreiros a água atingiu o teto do hospital da cidade. Dos 33 municípios seriamente atingidos, em 16 foi decretado estado de emergência e em 17 estado de calamidade pública, entre os quais Rio Formoso, Gameleira, Belém de Maria, Goiana, Cupira e São José da Coroa Grande.

O presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, veio a Pernambuco observar de perto os efeitos da calamidade e, dias depois, autorizou a liberação de apenas 30% dos R$ 129 milhões que, segundo levantamenteo do governo do Estado, seriam os recursos emergenciais necessários para recuperação das áreas atingidas.

2004 - Fortes chuvas entre 08 de janeiro 02 de fevereiro de 2004 castigam todas as regiões do Estado, deixando 36 mortos e cerca de 20 mil pessoas desabrigadas. As chuvas (jamais registradas entre os dois primeiros meses do ano) foram provocadas por fenômenos atípicos (frente fria e outros) e destruíram pontes e estradas, açudes romperam, casas desabaram, populações inteiras ficaram ilhadas.

Treze cidades ficaram em estado de calamidade pública e 76 em estado de emergência. Petrolina, no sertão do São Francisco, ficou vários dias isolada, depois que as águas levaram a estrada de acesso à cidade. Todos os açudes e barragens do Sertão e Agreste transbordaram, inclusive a gigantesca Barragem de Jucazinho, em Surubim. De acordo com levantamento do governo estadual, os prejuízos em todo o Estado chegaram a R$ 54 milhões.

2005 – Entre os dias 30 de maio e 02 de junho, fortes chuvas provocaram enchentes em 25 cidades do Agreste, Zona da Mata e Litoral pernambucanos, deixando 36 mortos e mais de 30 mil pessoas desabrigadas.

Cerca de 07 (sete) mil casas foram parcialmente ou totalmente destruídas; 40 pontes foram danificadas; 11 rodovias estaduais foram atingidas, sendo que sete delas ficaram interditadas; a água inundou ruas centrais, hospitais, escolas e casas comerciais de várias cidades, provocando enormes prejuízos materiais.

Pouco mais de 30 mil estudantes da rede estadual de ensino ficaram vários dias sem aulas, porque em todas as cidades atingidas 93 escolas foram danificadas e outras 11 foram transformadas em abrigos para os desabrigados.

As cidades mais atingidas: Moreno, Vitória de Santo Antão, Jaboatão, Nazaré da Mata, Pombos, Ribeirão, Cabo e Escada. O município que teve o maior número de casas destruídas ou parcialmente danificadas foi Vitória: 5 (cinco) mil casas.

2010 – No dia 03 de maio, nova enchente castiga os Estados de Alagoas e Pernambuco, deixando um rastro de destruição por 30 cidades. Em Pernambuco, houve 16 mortes, mais de 80 mil pessoas ficaram desabrigadas em 14 cidades do Agreste, Litoral e Zona da Mata. As chuvas danificaram 2.013 quilômetros de estradas e 79 pontes caíram. Entre as cidades mais afetadas, em Barreiros a igreja foi uma das poucas construções que ficaram de pé; em Palmares, a região central da cidade ficou submersa. Escolas, hospitais, quase tudo foi levado pelas águas. As cidades afetadas: Palmares, Cortês, Água Preta, Barreiros, Correntes, Vitória de Santo Antão, Barra de Guabiraba, Jaqueira, Escada, Nazaré da Mata, Primavera, Amaraji, Chã Grande e Gravatá.

0
0
0
s2sdefault

O Estado de Pernambuco tem 70% do seu território dentro do Polígono das Secas. Até 2011 quando teve início a atual, a seca mais arrasadora fora de 1877. Confira todas as secas no Estado desde 1583.

0
0
0
s2sdefault

O que são os raios?

Os raios são descargas elétricas de grande intensidade, que ocorrem em determinadas nuvens e podem atingir o solo, causando prejuízos e ferindo e até matando pessoas e animais.

Entre os prejuízos causados pelos raios, podemos citar a danificação de linhas de transmissão de energia elétrica, incêndios florestais e queima de aparelhos eletrodomésticos.

Ao atingir as pessoas, o raio causa sérias queimaduras, danos ao coração, pulmões e outras partes do corpo. As chances de uma pessoa atingida sobreviver são mínimas: em torno de 2%.

Portanto, nada melhor do que se prevenir.

Quem corre mais riscos de ser atingido por um raio:

I – Quem trabalha a céu aberto (como o agricultor, por exemplo) e também aquelas pessoas que transitam pelas ruas ou pelo campo, com certeza estão mais expostos aos raios do que aqueles que exercem atividades ou permanecem em lugares fechados. Portanto, pata estas pessoas há uma série de recomendações que podem evitar acidentes enquanto elas estiverem expostos durante uma tempestade:

1 - Procure não ficar próximo a árvores, cercas de arame, trilhos de trem, postes e linhas de transmissão de energia elétrica;

2 - Evite permanecer em locais altos, como topos de morros ou cordilheiras;

3 - Não segure objetos metálicos, como serras, guarda-chuva, vara de pescar;

4 - Evite se deslocar ou procurar abrigo em veículos sem capotas, como alguns tratores, motos ou bicicletas. Permanecer no interior de um carro fechado é uma proteção segura;

5 - Não se deite no chão por ocasião de raios. O correto é ajoelhar-se, curvar-se para a frente, colocando as mãos nos joelhos e a cabeça entre eles;

6 - Não ande a cavalo;

7 - Não nade ou pesque durante tempestades, pois a água é um excelente condutor de eletricidade.

II – Para aqueles que estão abrigados em suas casas, apartamentos ou escritórios, as recomendações são as seguintes:

1 - Não fale ao telefone fixo durante a tempestade, pois se um raio atingir a sua casa, ele pode se prolongar pela fiação. Usar o celular é mais seguro.

2 – Fique afastado de janelas e portas metálicas, tomadas da rede elétrica e canos metálicos.

3 – Não toque em equipamentos elétricos conectados a tomadas. Aliás, é recomendável deixar aparelhos de TV, computadores etc. fora das tomadas, pois, se um raio atingir a rede elétrica, esses equipamentos podem queimar.

4 – Não saia para a rua até a tempestade acabar.


Verdades e crendices em torno dos raios

Raios nuca caem duas vezes num mesmo lugar – Esta frase já virou ditado popular, mas é uma grande mentira. Raios caem, sim, várias vezes no mesmo local, como já ocorreu em inúmeras ocasiões.

Relâmpago também cai no mar – Verdade. Os raios podem atingir qualquer lugar, inclusive a água. Daí não ser recomendável nadar ou praticar atividades como esportes e pesca nas águas de rios ou mares durante uma tempestade.

Espelhos atraem raios e devem ser cobertos – Mentira. Os espelhos não atraem relâmpagos e também têm a propriedade de “refletir” a descarga em cima das pessoas, como muita gente pensa. Portanto, a prática de cobrir os espelhos, ou deles se afastar durante uma tempestade, não passa de mais uma crendice popular, sem nenhum fundamento científico.

Árvore de grande porte atrai raios – Não é verdade. O que ocorre é que, entre o percurso da descarga elétrica da nuvem até chegar ao solo, há uma fase chamada “descarga de conexão” que parte de alguma coisa pontuda do solo, fechando o circuito. E esse ponto que se destaca da planura ao redor tanto pode ser uma árvore quanto um prédio, por exemplo. Portanto, não faz sentido sair derrubando tudo quanto é arvore gigante, pensando que isso vai “evitar atrair raios”.

0
0
0
s2sdefault

A mais famosa história de terremoto no Recife ocorreu a 28 de outubro de 1811, quando a cidade teria sofrido três gigantescos abalos. De acordo com documentos da época, na semana em que se deu o fenômeno os recifenses iniciaram uma polêmica. Uns falavam que foram, mesmo, tremores de terra. Outros disseram que tudo não passou de um grande trovão. E, assim, o fato passeou pelas rodas de conversa até cair no esquecimento. Mas, quando em 1859 Dom Pedro II visitou Pernambuco e quis saber o que realmente teria acontecido, de novo a versão de terremoto ganhou força. E, prontamente, relatórios passaram a ser elaborados. Todos, para satisfazer a curiosidade do imperador.

Entre esses documentos, o mais célebre foi escrito pelo Visconde de Suassuna que era senador e não quis deixar D. Pedro sair de Pernambuco sem notícias transmitidas por uma autoridade política. Detalhe: na época dos supostos tremores, o Visconde tinha 18 anos, não ouviu nada porque, como ele próprio escreveu, "estava assistindo aulas em Olinda" mas, ainda assim, produziu um relato de quase cem linhas. O relatório foi escrito a partir de "informações de diversas pessoas que me merecem inteira confiança" e conta que tudo aconteceu "pelas oito horas da noite pouco mais ou menos". Diz que foram três grandes e prolongados estrondos, com intervalos de uns cinco minutos de um a outro.

O relatório do Visconde de Suassuna narra que "o segundo tremor foi mais forte que o primeiro e último" e detalha os estragos provocados pelo fenômeno. Diz, por exemplo, que uma armação de chafariz construída no Pátio do Livramento "foi abatida pelo estremecimento da terra" e que no interior das casas "os objetos que se achavam sobre as mesas ameaçaram precipitar-se ao chão". Sobre a reação dos recifenses, o documento informa: "o povo corria para uma e outra parte dirigindo invocação ao Altíssimo". No final do texto, o senador conta que três iguais estrondos também foram ouvidos em Olinda e "em todos os lugares os habitantes se alvoroçaram da mesma sorte que os do Recife". Os historiadores que recuperaram e reproduziram o documento do Visconde de Suassuna (entre os quais Perreira da Costa) não discutem a seriedade dessa peça histórica.

Mas como explicar o fato de o senador não ter ouvido os estrondos no Recife porque se encontrava em Olinda, quando o relatório que ele escreveu diz que também ocorreram tremores em Olinda e os habitantes de todos os lugares se alvoroçaram? Indagações à parte, vai aí a frase que fecha o relatório do Visconde: "nesse mesmo ano e semanas anteriores ao dia do tremor, teve lugar a aparição de um cometa de cauda branca o que só deixou de ser visto depois do fato do tremor". Além de relatórios como o do Visconde de Suassuna, Dom Pedro II saiu de Pernambuco levando na bagagem outros textos produzidos por intelectuais, sobre o famoso terremoto que teria ocorrido no Recife.

O historiador Pereira da Costa informa, nos "Anais Pernambucanos", que uma dessas peças foi produzida pelo comendador Manuel Figueiroa de Faria (que era redator-proprietário do Diário de Pernambuco) e começava assim: "No ano de 1811 (não me recordo o mês) ao toque da Ave-Maria, sentiu-se na cidade do Recife um grande tremor subterrâneo, que aterrorizou a população, que de um só brado clamou aos céus - Misericórdia!"

0
0
0
s2sdefault

Publicidade

banner google1

Parceiros

banner google1banner google1

Publicidade

banner google1

Multimídia