curta nossa página no facebook / Like us at Facebook Entre em nossa comunidade do orkut / Join us at orkut Siga-nos no Twiiter / Follow us at TwitterSiga-nos no Linkedin / Follow us at LinkedInAdicione-nos em seu círculos / Add us at your circles

Resistência negra – Costumes seculares

Comunidades remanescentes dos Quilombos

O interior pernambucano ainda abriga algumas comunidades que conservam todo um modo de vida fundamentado em costumes seculares. As mais representativas são, sem dúvida, as comunidades remanescentes dos Quilombos, das quais Conceição das Creoulas e Castainho são bons exemplos.


Conceição das Creoulas, um ponto de resistência nas terras secas do setão

Conceição das Creoulas, distrito de Salgueiro, a 518 km do Recife, é uma comunidade remanescente dos Quilombos, onde os moradores ainda lutam pelo reconhecimento de propriedade das terras onde vivem. Ali, os descendentes dos escravos ainda matem vários costumes trazidos pelos primeiros moradores. É um dos maiores exemplos de resistência negra no Brasil. A maior parte dos habitantes da comunidade (que vive da agricultura) é analfabeta. São cerca de quatro mil pessoas e a área é de difícil acesso.

Entre as principais manifestações culturais da comunidade, está a festa da padroeira, Nossa Senhora da Conceição, que é festejada pela Igreja Católica a 08 de dezembro, mas ali acontece a 15 de agosto. A razão dessa mudança de datas é controvérsia: uns dizem que foi imposição de um antigo “coronel” nordestino; outros afirmam que aconteceu porque o padre que costuma rezar missas no distrito não tinha vaga em sua agenda, no dia consagrado à santa.

Outra tradição de Conceição das Creoulas é uma novena rezada em latim, acompanha pela banda de pífanos do lugar, que acontece no Domingo de ramos.


Em Castainho, sobrevivem vários costumes de povos africanos

Outra comunidade negra remanescente dos Quilombos em Pernambuco é Castainho, no município de Garanhuns, a 229 km do Recife. Situada a nove quilômetros do centro da cidade, ali vivem 165 famílias remanescentes do Quilombo dos Palmares, em Alagoas. Ainda hoje, a comunidade guarda alguns costumes característicos de povos africanos.

Alguns costumes: os cultos africanos são praticados às escondidas; as mulheres usam plantas para evitar ter filhos e os homens costumam ter de duas, quatro e até oito esposas. As mulheres trabalham na roça, enquanto os homens ficam em casa, cuidando dos filhos ou conversando com os amigos.

A base de sobrevivência econômica da comunidade é a agricultura: as famílias cultivam caju, para comercialização da castanha (que deu origem ao nome do lugar), milho e feijão. Mas, o principal produto é a mandioca, processada nas antigas casas de farinha. As mulheres também são responsáveis pela organização comunitária, comandando inclusive a luta pela posse definitiva das terras.

Powered by Bullraider.com

Parceiros

Publicidade

PE A-Z © Todos os direitos reservados

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco