curta nossa página no facebook / Like us at Facebook Entre em nossa comunidade do orkut / Join us at orkut Siga-nos no Twiiter / Follow us at TwitterSiga-nos no Linkedin / Follow us at LinkedInAdicione-nos em seu círculos / Add us at your circles

Arraes: discurso 09 – Lagoa Grande, 23/07/1998

9 - "Nossa tarefa central é organizar o povo, construir alguma coisa na cabeça do povo" (Comício no município de Lagoa Grande, 23/07/1998)

Meus amigos de Lagoa Grande,

Estive aqui em Lagoa Grande quando voltei do exílio, em 1982, na campanha peara deputado federal e tenho uma imagem na caça de Lagoa Grande daquela época. Hoje não acreditei que estava em Lagoa Grande, mas estava lá uma placa dizendo que aqui é Lagoa Grande e eu tive que acreditar.

A imagem que tenho daquele tempo, é de um lugar que Fernando Bezerra descreveu, um lugar de passagem, um lugar de parada, mas a imagem mesmo que está na minha memória é de uma rede armada debaixo de um pé de pau, uma mulher sofrida, três crianças e um marido desnutrido, retirantes de não sei aonde, com quem falei, com quem conversei, para saber de coisas desta área. Desta pobreza, destas dificuldades que existem neste Nordeste. E a face desta mulher é a face de muitas mulheres que ainda existem neste país, retirantes pobres, sofridas, mas corajosas, dispostas a criar seus filhos de qualquer jeito, dispostas a lutar pela vida.

Esta é a nossa gente, é a gente que veio para Lagoa Grande, é a gente que se espalha por este Nordeste. Tenho muita satisfação e muita alegria de Ter feito um ato certo que é de ter emancipado Lagoa Grande. Neste eu tenho satisfação e tenho orgulho, sobretudo depois de ouvir as crianças que falaram comigo agora, duas meninas entusiasmadas porque estão ensinando gente a ler no final de semana. Orgulhoso disto e de ter ouvido a palavra do prefeito, que subscrevo, de que dispensa até o que eu poderia falar.

O que entendo é que temos que construir alguma coisa na cabeça da população, coisa que não é simples nem fácil, coisa que leva tempo, pois muitas vezes outras coisas secundárias nos ocupam, as lutas de todo tipo, que temos que fazer para realizar alguma coisa, que nos desviam das tarefas centrais e principais. E a tarefa central é a de organizar nosso povo, é dar esperança para saber que a vida se constrói com esforço, dedicação e coragem.

Estou há 50 anos na luta política deste estado. Sou sertanejo como vocês, da serra da Chapada do Araripe, mas saí de lá muito cedo, sem ter perdido a idéia da minha terra, sem ter cortado os laços culturais que me unem com minha pequena cidade, igual a Lagoa Grande, não esta Lagoa Grande de Jorge, mas a Lagoa Grande que vi com aquela mulher faminta com os filhos, com a terra pobre, com a terra sofrida, seca, sem água, com gente pobre ainda hoje, mais pobre do que estas beiras do São Francisco.

Entendo que devo ser fiel a esta origem, a origem que me trouxe para estudar, mas estudar para quê? Estudar para mim? Para fazer dinheiro? Estudar para ganhar bem material que me faria um desocupado, ocioso, rico? Nunca tive esta vontade, minha vontade foi e é até hoje a de me juntar com a população para lutar contra as injustiças desta terra, as injustiças que se acumulam, que têm que ser acabadas.

Mas com estes longos 50 anos eu sei que isto é uma tarefa difícil, uma tarefa difícil de fazer, mas que deve e pode ser feita com a paciência e com um trabalho sistemático de muita gente, de pouca no começo, mas de muita gente que se vai juntando neste mesmo caminho, no caminho da democracia, da liberdade e da fraternidade, da solução das questões sociais, da construção de uma vida melhor.

Este é nosso caminho e por isso mesmo fomos sempre combatidos, atacados, acusados e as acusações feitas nos curso destes 50 anos, muitas e diversas, nunca me pegaram, batem e voltam para quem me acusou porque não têm força de desmanchar a luta concreta que realizamos, não têm senão para voltar em cima daqueles. Durem 20 anos como durou a ditadura militar, mas a verdade se restabelece um dia e nós voltamos para a luta da mesma forma que dela fomos afastados pela força.

Vi em Lagoa Grande, ao ouvir ao meu amigo Jorge, eu me senti realizado muito daquilo que pensei no passado, a de encontrar gente que pudesse trabalhar com o sertanejo e os sertanejos foram manipulados durante muitos e muitos anos por forças políticas que só queriam se servir do seu voto, que nunca fizeram o menor esforço para trazer benefícios para esta terra e sobretudo para a população. Eles sempre pensaram nos grandes e quando trouxeram para cá benefícios foi para os grandes e não para os pequenos.

Os pequenos vão aprender os novos trabalhos? Aprenderam. Encontrei inclusive gente aqui trazendo paulista como trabalhador rural quando aqui existe muita gente que, com duas semanas, aprende a fazer o trabalho de qualquer um, pois assim acontece com gente que vai para São Paulo. Nem esta preocupação tiveram, que muitos desta gente nos olham como coisas à parte, como seres inferiores.

Agora que o sertão desperta e se organizar e começa a encontrar homens dispostos a fazer esta caminhada, dura, difícil, mas possível de fazer, me sinto pago por tudo que fiz e aqui em Lagoa Grande encontro o povo se organizando como vão se organizar, seguindo este exemplo, as outras cidades, distritos, povoados, do sertão todo de Pernambuco e do Nordeste.

Combate que ainda agora me fazem não está apenas nos ataques verbais, está na discriminação odiosa que está sendo feita a Pernambuco. Negaram recursos necessários para muitas obras, inclusive para obras que interessam a Lagoa Grande, como a Estrada do Vermelho, cuja construção está autorizada, mas que precisam chegar recursos para que não se paralise pelo meio a obra. E esse recurso nós haveremos de encontrar, haveremos de obter agora ou para frente, de forma a completar a obra que o prefeito está fazendo e dar melhores condições de produção a um município tão promissor quanto este.

Espero contar com vocês da forma que Fernando aqui colocou, não só para votos de Lagoa Grande, mas de todos aqueles que possam conseguir no estado, para podermos fazer frente a adversários determinados a liquidar não a minha pessoa, mas liquidar a causa que todos nós neste palanque abraçamos. A liquidar este caminho que devemos trilhar, o caminho da democracia, o caminho da liberdade, de todos os brasileiros. Vamos a 04 de outubro dar esta resposta, a resposta no voto a Lula, no voto a Humberto Costa, no voto a Fernando Bezerra Coelho e nós votos aos candidatos da Frente Popular de Pernambuco.

Muito obrigado a vocês pela acolhida.

Powered by Bullraider.com

Parceiros

Publicidade

PE A-Z © Todos os direitos reservados

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco