curta nossa página no facebook / Like us at Facebook Entre em nossa comunidade do orkut / Join us at orkut Siga-nos no Twiiter / Follow us at TwitterSiga-nos no Linkedin / Follow us at LinkedInAdicione-nos em seu círculos / Add us at your circles

Arraes anunciou derrota

arraesArraes anunciou, em praça pública, que seria derrotado por Jarbas Vasconcelos, em 1998.

Passada a barulheira natural dos períodos de eleição e as posturas emocionais dos meses seguintes à divulgação dos resultados, só aí é possível enxergar tudo o que aconteceu.

Em 1998, na eleição para governador, por exemplo, Miguel Arraes anunciou publicamente, durante a campanha, que iria perder para Jarbas Vasconcelos. E perdeu.

Por que, então, ele entrou na disputa? Uma leitura atenta dos 30 principais discursos do ex-governador naquela campanha pode fornecer, senão a resposta definitiva, pelo menos boas pistas para responder a essa pergunta.

Há quem diga que Miguel Arraes nunca teve a menor ilusão quanto ao resultado da eleição e usou a campanha de 1998 para se fortalecer como mito, para consolidar a imagem daquele político que sofre mas não abre mão dos seus princípios.

Outros afirmam que o ex-governador, apesar de toda sua experiência de meio século de campanhas eleitorais, cometeu um erro ao aceitar a candidatura alimentando alguma esperança de vitória. Só em seguida teria percebido que a missão era impossível e, assim, assumiu a postura de derrotado porque era eterno perseguido.

Para os que defendem a tese de que Miguel Arraes sempre esteve ciente da derrota inevitável, um forte argumento é que, durante a campanha, as expressões que ele mais usou foram "organizar o povo" e "avançar na luta popular", num discurso centrado em dois grandes eixos: no passado do próprio candidato e na situação da economia e do povo brasileiros, diante da globalização.

E isso o ex-governador falava até mesmo no menor que fosse o povoado sertanejo. Portanto, ele teria falado a verdade quando, divulgado o resultado da eleição, afirmou: "Eu já sabia que ia perder".

Se esta ou aquela análise é a correta, bom, só a História dirá. O certo (e que pouca gente percebeu ou não quis comentar) é que Arraes fez toda a campanha anunciando a própria derrota.

Primeiro, num encontro durante o qual o marqueteiro Duda Mendonça tentou fazer Arraes desistir da candidatura e o ex-governador respondeu: "Há eleição em que a gente ganha eleitoralmente e perde politicamente. E há eleição em que a gente perde eleitoralmente e ganha politicamente". Depois, Arraes falaria literalmente em derrota durantes vários comícios que realizou do Litoral ao Sertão do Estado.

Logo no comício de abertura da campanha, no Cabo, por exemplo, o ex-governador afirmou: "Nossos adversários pensavam que iam ganhar o poder sem resistência". Depois, na inauguração do comitê do Recife, diria: "Esta é uma batalha decisiva não para a eleição de governador e de senador, mas para o destino do Brasil".

Em Ouricuri: "Como governador, dê no que der, não abrirei mão dos meus princípios". Em Glória de Goitá: "Sou candidato por uma razão maior, política". Em Olinda: "Sei que esta posição política não é fácil de ser sustentada". Em Lagoa Grande: "A verdade se restabelece um dia".

Os discursos de Miguel Arraes foram gravados pelo repórter Marcos Cirano, que em 1998 integrava a equipe de Duda Mendonça, responsável pela campanha do ex-governador. O material (que o pe-az veicula aqui pela primeira vez e com exclusividade) tem importância histórica por, pelo menos, duas razões: a) revela, em detalhes, como Arraes conduziu a campanha; b) é a outra metade documental da histórica vitória de Jarbas Vasconcelos.

Outro fato a acrescentar é que detalhes de campanhas passadas sempre ajudam compreender o que está acontecendo no momento.

Para nós, do Pernambuco de A/Z, a veiculação dos discursos é a nossa contribuição para o registro e reconstituição da história política do Estado. Veja abaixo os discursos:

1 - "Nossos adversários pensavam que iam ganhar o poder sem resistência" - Cabo
2 - "Esta batalha é decisiva não para eleição de governador, mas para o destino do País" - Comitê Central Recife
3 - "Como governador, dê no que der não baixarei a cabeça para ninguém" - Ouricuri
4 - "Sou candidato a governador por uma razão política maior " - Glória de Goitá
5 - "Só quero votos daqueles que acham que ainda posso abrir os caminhos do futuro" - São José do Egito
6 - "Queremos que o povo tenha liberdade, que vote até contra nós" - Salgueiro
7 - "Eu não gostaria de ser governador de um Estado que se curvasse" - Santa Cruz da Baixa Verde
8 - "Escancarar as portas do País desta forma significa começar a aniquilar a nação brasileira" - Olinda
9 - "Nossa tarefa central é organizar o povo, construir alguma coisa na cabeça do povo" - Lagoa Grande
10 - "Essa é uma marcha para reverter a situação de entrega do País ao estrangeiro" - FESP
11 - "A questão não é só fazer as coisas, mas saber para quem se faz" - Paulista
12 - "Poderia ter-me aliado ao governo federal" - Dois Irmãos/Recife
13 - "Moeda forte não se aguenta sozinha, como se fosse uma deusa" - Várzea/Recife
14 - "Estou no mesmo caminho que assumi há 50 anos" - Vila de São João/Recife
15 - "Não estou em condições de cobrar nada ao povo, o povo é que tem condições de me cobrar" - Mustardinha/Recife
16 - "Nós estamos lutando por uma mudança mais profunda" - Usina Catende
17 - "Para avançar, é preciso uma fora que baixe sempre no mesmo caminho" - Vila Felicidade
18 - "Eu faria qualquer coisa pelo povo, menos me dobrar" - Santa Cruz da Baixa Verde
19 - "Aqui nós resistiremos, precisamos mudar também o plano federal" - Petrolina
20 - "Grupos que usam dinheiro do povo passam por cima de tudo quanto é regra nesse País" - Caruaru
21 - "Em política é preciso Ter paciência" - Chão de Estrelas/Recife
22 - "Vocês nos apóiem, se é que acham que podemos fazer alguma coisa" - Brejinho de Tabira
23 - "Nunca prometi felicidade a ninguém" - Timbaúba
24 - "Ninguém pode me acusar de ter me desviado dos caminhos da ação popular" - Santa Luzia/Recife
25 - "Seria uma indignidade trair a história do povo pernambucano" - Jordão Alto/Recife
26 - "Penso do mesmo jeito de quando era estudante de Direito" - Sindicato dos Bancários
27 - "Estamos numa fase difícil da vida brasileira" - Parnamirim, Sertão do Estado
28 - "Estamos numa travessia de muita dificuldade a nível federal" - Cachoeirinha
29 - "Temos um País afogado numa crise, um País cheio de desempregados de norte a sul" - Lajedo
30 - "Os especuladores não têm nenhum compromisso com a solução das questões nacionais" - Camocim de São Félix

Powered by Bullraider.com

Parceiros

Publicidade

PE A-Z © Todos os direitos reservados

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco