curta nossa página no facebook / Like us at Facebook Entre em nossa comunidade do orkut / Join us at orkut Siga-nos no Twiiter / Follow us at TwitterSiga-nos no Linkedin / Follow us at LinkedInAdicione-nos em seu círculos / Add us at your circles

Estação Ferroviária de Petrolina

Localização: Petrolina-PE, confluência das avenidas São Francisco e Nações Unidas, Centro
Tombamento: Estadual, decreto 10.075, de 07/01/1985
Proprietário: Empresa privada
Finalidade: Escritório comercial


Descrição


TIPO: Bem imóvel (estação ferroviária)

ORIGEM: Construída pela antiga Rede Ferroviária Federal S.A. (hoje Companhia Ferroviária do Nordeste) para embarque e desembarque de pessoas e cargas na Estrada de Ferro Recife/Petrolina

DATA DE CONSTRUÇÃO: 1923

ASPECTOS ARQUITETÔNICOS: O prédio da antiga Estação Ferroviária de Petrolina é uma edificação de interesse arquitetônico. Possui um bloco central, distribuído em dois pavimentos e duas alas latrerais térreas, num partido perfeitamente simétrico, a compor o seu todo. A fachada da plataforma, mais rica que a sua oposta, notabiliza-se pela cobertura de madeira, constituída por um conjunto de mãos-de-força trabalhadas, que suportam uma leve estrutura para fixação das telhas de chapas metálicas. Essa coberta é arrematada por um rendilhado de madeira conhecido por lambrequim.

 

A planta do térreo abriga dois amplos ambientes que eram os armazens da estação. No corpo central, no térreo, os ambientes, onde funcionavam a bilheteria e o controle de embarque e desembarque de pessoas e mercadorias, desenvolvem-se laterais à ampla circulação que ligava o exterior ao setor da plataforma. Ainda no corpo central, no pavimento superior, a planta segue simétrica em cinco ambientes onde se achavam os diversos setores da administração da linha férrea. Nesse piso, os ambientes têm melhor acabamento, com bons soalhos e forros, pinturas decorativas e esquadrias de caixilharia.

 

A edificação é totalmente construída em alvenaria de tijolo maciço, cozido, que suporta a cobertura. Esta última é constituída por tesouras de pendural.

 

Todas as edificações que compõem o conjunto arquitetônico da rede ferroviária implantadas entre os estados de Pernambuco e Bahia no segundo quartel do século XX, trazem as características da arquitetura eclética que dominou o período. Tal fato evidencia-se por si próprio a partir da simples observação de que são construções de perfeita simetria em planta e em elevação; seus arremates são fortemente marcados e os detalhes e aberturas são invariavelmente repetidos e rebatidos a partir de um eixo central. Todas essas características, somadas ao programa estabelecido pela antiga companhia inglesa que explorava os transportes ferroviários, denotam o estilo de “Néos”.

 

No caso específico da Estação Ferroviária de Petrolina, há uma mistura de néo-clássico com o néo-colonial, de gramática muito simplificada, fruto da degenerecência desse movimento da arquitetura.


Histórico


Com área de 800 metros quadrados, a Estação Ferroviária de Petrolina foi inaugurada em fevereiro de 1923, como parte integrante do primeiro trecho da Estrada de Ferro Petrolina(PE)/Terezina(PI). Esse primeiro trecho da ferrovia tinha 62 km de extensão, ligava as cidades de Petrolina/Pau Ferro e era um prolongamento da Estrada de Ferro Recife/Petrolina, a primeira construída no Nordeste brasileiro e a segunda no País.

 

Essa ferrovia foi de grande importância para o desenvolvimento de petrolina, pois ali se concentrava o tráfego de passageiros e de cargas não só de Pernambuco, mas de outros Estados ao norte, com destino a Bahia e ao sul do País. Isto porque a travessia para a cidade baiana de Juazeiros, de onde pessoas e mercadorias tomavam outros rumos, ocorria ali em Petrolina.

 

Em 1941, o trecho da ferrovia que ligava Petrolina a Pau Ferro passa a integrar a Viação Federal Leste Brasileira, por força do decreto-lei 2.964 (de 20/01/1941), da presidência da República, a qual ficou vinculada por vários anos. Com a decadência e gradativa desativação do transporte ferroviário em Pernambuco, em abril de 1971 a velha estação de Petrolina foi fechada, ficando o prédio abandonado. Em 1975, chegou-se a programar a demolição do prédio, para a construção de um viaduto no local, o que acabou não acontecendo. Em 1984, o prédio foi restaurado e passou a abrigar um restaurante na parte térrea e a Secretaria de Turismo e Fundação de Cultura de Petrolina no pavimento superior.

 

A Estação perdeu a ambiência primitiva, devido à construção do novo sistema viário que liga Petrolina a Juazeiro, na Bahia. A visão da sua fachada oriental está sacrificada pelo elevado arrimo da rodovia que, praticamente, invade a gare. Também toda a linha foi retirada, restando apenas uma calha que dá idéia da bitola antiga da estrada de ferro.

 

Em 1998, o prédio da estação foi vendido a uma empresa privada, proprietária de uma rede de postos de gasolina.

Powered by Bullraider.com
Simulando espaços vazios

Parceiros

Publicidade

PE A-Z © Todos os direitos reservados

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco