curta nossa página no facebook / Like us at Facebook Entre em nossa comunidade do orkut / Join us at orkut Siga-nos no Twiiter / Follow us at TwitterSiga-nos no Linkedin / Follow us at LinkedInAdicione-nos em seu círculos / Add us at your circles

Bebidas - Licores

O conceito de licor, de acordo com a legislação brasileira, consiste em uma bebida com graduação alcoólica de 15% a 54% de etanol em volume, a vinte graus Celsius, e um percentual de açúcar superior a trinta gramas por litro, elaborado com álcool etílico potável de origem agrícola, ou destilado alcoólico simples de origem agrícola ou bebidas alcoólicas, adicionada de extrato ou substâncias de origem vegetal ou animal, substâncias aromatizantes, saborizantes, corantes e outros aditivos permitidos em ato administrativo complementar.

A palavra licor deriva da palavra, de origem latina, liquefacere, cujo significado é fundido ou dissolvido em líquido. A bebida é geralmente produzida por maceração ou por uma mistura de diferentes componentes.  O licor pode ser definido, ainda, como uma bebida produzida a partir da mistura de álcool etílico, água, açúcar e substâncias que lhe conferem aroma e sabor, em medidas adequadas, sem que haja qualquer processo de fermentação durante sua elaboração.

Sua história no Brasil tem início dentro dos engenhos do período colonial, época em que as pretas velhas preparavam xaropes para curar gripes, tosse e dores de estômago. Depois passou a ser degustado por puro prazer. Uma antiga tradição de hospitalidade é servir um cálice de licor caseiro às visitas, costume ainda presente hoje em dia, sobretudo nas cidades do interior pernambucano.

Em Pernambuco, os licores são produzidos geralmente a partir da mistura de cachaça com xaropes de frutas. Entre os mais consumidos estão os de jenipapo, pitanga, umbu, manga e abacaxi. Em Triunfo, município do sertão do Estado, existe um delicioso e peculiar licor preparado com rosas, este é considerado patrimônio imaterial do município.

licor peaz

Fontes consultadas:

ALVES, Y.F.M. e MENDONÇA, X. M. F. D. Elaboração e caracterização sensorial e funcional de um licor típico amazônico a base de açaí (Euterpe oleracea). Revista brasileira de tecnologia agroindustrial. Ponta Grossa, v. 5, n. 3, p. 559-572, 2011. Disponível em: <http://revistas.utfpr.edu.br/pg/index.php/rbta/article/view/742>;. Acesso em: 27 jun. 2014. doi:10.3895/51981-36862011000200008

BRASIL. Decreto nº 6.871, de 04 de junho de 2009. Regulamenta a Lei no 8.918, de 14 de julho de 1994, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 05 jun. 2009. Seção 1, p. 20. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2009/decreto-6871-4-junho-2009-588673-normaatualizada-pe.html.>; Acesso em: 01 jul. 2017.

CARVALHO, R. F. Produção de licores. Rede RETEC/BA (Dossiê técnico), abr. 2007. Disponível em: <http:// www.sbrt.ibict.br/upload/dossies/sbrt-dossie102.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2014.

FUNDARPE. Inventário do patrimônio cultural R.D. Sertão do Pajeú. Panorama Cultural, 2005. Disponível em: <http://www.mapacultural.pe.gov.br/pmapper/images/fundarpe/2615706.pdf>;.  Acesso em: 30 jun. 2014.

Powered by Bullraider.com

Parceiros

Publicidade

PE A-Z © Todos os direitos reservados

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco